12/08/2015 às 16h47min - Atualizada em 12/08/2015 às 16h47min

Solenidade de abertura da Marcha das Margaridas foi marcada por grande emoção

Milhares de mulheres de todo o país participaram do evento

Portal Corrente
Foi com grande emoção que teve início oficialmente na noite desta terça-feira (11) no Estádio Nacional Mané Garrinha em Brasília-DF, a 5ª Marcha das Margaridas. 
 
Uma abertura que seguiu ao ritmo dos vários gritos de mulheres do campo, da floresta e das águas, que  mostraram que os ideais de  Margarida Alves continuam vivos mesmo depois dos 33 anos de seu brutal assassinato. “Seguiremos na construção de luta das mulheres... A Marcha é um referencial de mudança dos rumos, de conquista  de politicas públicas para nosso país”, ressaltou a coordenadora geral da Marcha e secretária de Mulheres da CONTAG, Alessandra Lunas.
 
E seguiu pontuando. “De peito aberto independente do governo que aí estiver sempre diremos as políticas que esperamos. São muitas as conquistas. Se a gente listar, temos muito a comemorar, como exemplo cito o programa de documentação para trabalhadora rural”, destacou Alessandra, fazendo referência de que a Marcha  não é um evento estático, mas  um processo que segue continuamente.
 
Já Claudia Castro, que falou em nome da delegação Internacional abriu uma reflexão do referencial que a Marcha é para o mundo. “Estamos apoiando a Marcha das Margaridas no Brasil. A Marcha é uma luta conjunta em nível de Brasil, assim como na América Latina.”
 
Emocionada, Claudia ainda aproveitou para entregar ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que fez questão de prestigiar a abertura, junto a vários Ministros, entre outros representantes do Governo Federal, várias demandas das mulheres campesinas.  
 
A trajetória enfrentada todos os dias por cada margarida para chegar até Brasília nestes dias 11 e 12 de agosto, também foi lembrada pela representante das Organizações parceiras da Marcha, Maria Verônica de Santana, do Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais do Nordeste. “Todos os momentos que discutimos na base, se torna pequeno diante do valor da nossa luta. Queremos dizer nesse momento que iremos avançar nesse país, pois  nós mulheres temos propostas políticas e unidade. Assim, seguiremos em Marcha até que todas sejamos livres”, enfatizou. . 
 
Em nome da CONTAG o presidente da Confederação Alberto Broch saudou todas as margaridas  presentes na abertura. “Essa Marcha é da Reforma Agrária, por direitos a Políticas Públicas, entre outras conquistas que precisam chegar para as margaridas. Uma Marcha construída por várias mãos. Por mulheres que decidiram não se calar diante dos desafios impostos”, destacou.
 
 “A Marcha é feita por companheiras que atravessaram o Brasil para fazer história. Aqui está um povo que tem ocupado as ruas e vem construindo proposições para transformar  realidades depois de tanto tempo de invisibilidade”, destacou a vice-presidente da CUT Nacional, Carmem Foro . 
 
“Nossa pauta é pauta por igualdade e democracia. Sem democracia nós não enfrentaremos o Machismo. Queria convocar mais uma vez as margaridas para quando tocarem no nosso Projeto Político estarmos na rua fazendo a defesa do que acreditamos”,  continuou Carmem Foro.
 
A secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CTB, Ivana Pereira, chamou atenção para  os  direitos da mulher e para tentativas de golpe que se acentuam no atual cenário político partidário no Brasil e pró machismo que lamentavelmente ainda existente no Congresso Nacional. “Não permitiremos que o machista reacionário do Cunha na Câmara dos Deputados continue ditando as regras do país. Por isso escuta Cunha: Seguiremos em Marcha até que nós margaridas de todos os cantos sejamos livres".      
 
A deputada federal, Erika Kokay (PT-DF), destacou. “É preciso construir um Brasil onde haja igualdade entre homens e mulheres. Que nós possamos entender  que juntas somos fortes.
 
Representando o Governo Federal, o Ministro do MDA, Patrus Ananias,  aproveitou para reafirmar dois compromissos com as margaridas. “O primeiro é a Luta pela Reforma Agrária, onde temos como meta assentar até o final do Governo Dilma todas as trabalhadoras e trabalhadores rurais que vivem debaixo da lona. O 2º é trabalhar por políticas que garantam vida digna e descente para as mulheres.” Ressaltou.
 
A ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, aproveitou para enaltecer duas mulheres que não se envergaram diante da luta, Margarida Alves e Dilma Rousseff. “São Mulheres que não se calaram mesmo diante das pressões e desafios enfrentados por serem mulheres”, destacou.
 
Fala de Luiz Inácio Lula da Silva
Fala esperada da noite, o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, fez de forma muito clara um comparativo econômico, mas sobretudo social  do Brasil. “Vocês se lembram que este país já foi muito dividido. Entre os que comiam e os que tinham fome.  Os analfabetos e os que frequentavam as escolas e universidades.  Sem terra e com terra. Os que iam para o Shopping e outros que ficavam só a olhar”, discorreu Lula mostrando de forma muito clara as desigualdades sociais sustentada pelos Tucanos.  
 
Ainda chamou a atenção para o processo democrático de reivindicação feito pelas margaridas, o citando como um exemplo de persistência a ser seguido. “Vocês aprenderam depois de muitas Marchas que é possível mudar a história desse país. Quanto mais a gente quer,  a gente conquista. Democracia não é um ato de silêncio, mas é o povo da rua reivindicando  direitos”.
 
E encerrou sua fala citando o bom exemplo do processo de construção da Marcha. "É preciso sempre manter o diálogo com a base, assim quero afirmar:“Estou preparando para voltar a caminhar nesse país. Eu quero ver nossos adversários querer pensar no país como nós queremos”. 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp