28/11/2015 às 15h09min - Atualizada em 28/11/2015 às 15h09min

Deputado alerta para o perigo da microcefalia

Luciano Nunes explicou que a principal associação que se faz nos casos da microcefalia é com o zika vírus, uma doença transmitida pelo mosquito da dengue, o Aedes Aegypti.

Alepi
Alepi

O deputado Luciano Nunes (PSDB) mais uma vez faz um alerta para o perigo da mocrocefalia, doença em que a cabeça e o cérebro das crianças são menores que o normal para a sua idade, e que influencia no desenvolvimento da criança. A doença que está acometendo crianças recém nascidas em estados brasileiros e, principalmente no Nordeste.“Sem duvidas é um problema de saúde pública, que é preocupante no Brasil todo. O ministro Marcelo Castro tem alertado, os números são crescentes, sobretudo no estado de Pernambuco, onde já são quase quinhentos casos de mocrocefalia. Aqui no Piauí já foram confirmados 27 casos de microcefalia”, relatou.

Luciano Nunes explicou que a principal associação que se faz nos casos da microcefalia é com o zika vírus, uma doença transmitida pelo mosquito da dengue, o Aedes Aegypti. “É algo novo, não existia nenhuma pesquisa que indicasse essa relação entre o zika vírus e a microcefalia, e diante dessa quantidade de casos, toso nós temos que estar em estado de alerta, bem como as autoridades, segundo ele, em âmbito federal, estadual e municipal”, adverte o parlamentar.Luciano Nunes entende que cada cidadão precisa fazer sua parte, combatendo o mosquito da dengue, e que a melhor forma de prevenção é acabando com os criadouros.

”Sem os locais onde o mosquito da dengue possa se reproduzir, não há como ele proliferar a doença, tendo em vista que ele é o vetor de transmissão da doença. É importante que todos façam a sua parte. O mosquito não respeita muro. Não adianta eu fazer a minha parte e o meu vizinho não fazer a parte dele. É um problema de saúde pública e que além da dengue matar, agora não temos o zika vírus, que causa a microcefalia que é um problema seríssimo e que irá na qualidade de vida dessas crianças”, finaliza.


Lindalva Miranda - Edição: Katya D'Angelles


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp