29/08/2017 às 16h54min - Atualizada em 29/08/2017 às 16h54min

Ministério Público promove reunião para tratar da Barragem de Atalaia

IDEPI, Construmax e representantes dos impactados participaram da reunião

Viviane Setragni
Portal Corrente

O Ministério Público promoveu nesta segunda-feira uma reunião para tratar do cronograma e do reassentamento dos impactados pela Barragem Atalaia. Participaram da reunião, que foi coordenada pela Promotora de Justiça Gilvânia Alves Viana,  o Diretor Geral do IDEPI, Geraldo Magela Barros Aguiar, o engenheiro civil Manuel Cirilo de Castro Neto e o gestor ambiental Lécio Gustavo Sousa Bezerra, ampos do IDEPI, os engenheiros Fabrício Mendes Amaral e Jamilson Rodolfo Ribeiro, representando a Construmax, empresa vencerora da licitação que executará as obras do reassentamento, o engenheiro fiscalizador Epifânio Borba Filho, a administradora da Construtora Jurema, Francisdalva Gomes da Silva e o presidente da Associação Canto da Inhuma, Osvaldo Rodrigues, representando os impactados.

Durante a reunião, o Diretor Geral do IDEPI, Geraldo Magela Aguiar, falou sobre a importância da Barragem de Atalaia para a toda a região para o fornecimento de água e apresentou o cronograma da obra. “Nós estamos trabalhando intensamente na fundação do leito da barragem para que ela fique pronta antes do período das chuvas, mas ao mesmo tempo estamos  viabilizando o mais rápido possível todos os trâmites necessários para o início da construção dos reassentamentos. Temos aqui os representantes da empresa que fará a obra do reassentamento para reafirmar o nosso compromisso”, colocou.

O representante dos moradores impactados, Osvaldo Rodrigues, manifestou  preocupação com o prosseguimento da obra na barragem sem o andamento das obras dos reassentamentos e questionou quais medidas serão tomadas quanto à remoção da vegetação nativa e dos animais silvestres.

Magela reafirmou o compromisso com a construção das casas concomitante à construção da barragem. De acordo com o cronograma, as obras devem ser finalizadas em 2019. “Entretanto, tudo será feito para que elas estejam finalizadas em 2018”, ressaltou.

A Dra. Gilvânia colocou que esteve pessoalmente na Barragem de Atalaia no dia 26 e que não constatou nenhuma inviabilidade técnica para que a obra seja impedida, devendo o IDEPI, o Ministério Público e a sociedade manterem o acordo para a sua continuidade.

Ao final da reunião, foram feitos os seguintes encaminhamentos: a injeção de cimento no leito do rio, se nenhuma espécie de barramento, terá prosseguimento e o desmatamento necessário somente para viabilizar o trabalho das máquinas poderá ser feito, com prévia comunicação à associação Canto da Inhuma. Também ficou acordado que o fechamento da barragem somente irá acontecer após o reassentamento dos impactados e retirada dos animais pelo IDEPI.

Deverão ainda ser feitos estudos para a construção de acessos dos assentamentos às rodovias, bem como viabilizar acesso a rede elétrica às essa propriedades. Outro compromisso assumido pelas empresas que executarão as obras da área da barragem e do reassentamento é que será dada preferência aos moradores da região na hora da contratação dos funcionários.

Ao Portal Corrente, o diretor do IDEPI manifestou a sua satisfação com a retomada da obra. “A reunião foi muito positiva e creio que não há mais nenhuma dúvida em relação ao andamento da obra. Esta região será contemplada com uma das obras de maior magnitude realizada aqui neste território e é uma satisfação muito grande para mim, que sou filho de Corrente, poder contribuir para o efetivo andamento dessa obra. Não podemos deixar de mencionar o apoio do deputado Fernando Monteiro e o empenho do ex-prefeito Jesualdo Cavalcanti, que continua acompanhando cada passo dessa importante realização para o sul do estado”, colocou.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp