14/03/2022 às 10h31min - Atualizada em 14/03/2022 às 10h31min

Piloto de motocross é morto por policial militar em barreira na rodovia PI-140, entre Floriano e Itaueira

G1

Um mecânico e piloto de motocross chamado Agno Santos, de 21 anos, foi morto baleado por um policial militar na tarde de sábado (12), na PI-140, entre as cidades de Floriano e Itaueira.

Amigos e familiares da vítima fizeram uma manifestação pela cidade na tarde de domingo (13). Centenas de motociclistas acompanharam o cortejo e passaram diante do Batalhão da Polícia Militar da cidade, como forma de protesto contra a morte do mecânico.

Segundo amigos do rapaz
, Agno participava, com outros jovens, de uma trilha pela zona rural de Floriano na tarde de sábado e usava capacete, equipamentos e uma motocicleta própria para a atividade. Por volta das 17h30 ele saiu de uma das trilhas para a rodovia, com a intenção de voltar para a cidade.

Ainda de acordo com os amigos, Agno teria feito a volta com a moto ao se deparar com a barreira para não passar pelos policiais. Já a Polícia Militar afirmou, por meio de uma nota, que o piloto teria furado a barreira mesmo depois que os policiais lhe deram ordem de parada.

Em seguida, ele foi baleado por um dos policiais militares e caiu da moto. Um vídeo mostra os policiais militares levantando o rapaz do chão e o colocando na carroceria de uma viatura.

Agno foi levado para o Hospital Regional Tibério Nunes, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O corpo dele passou por uma perícia médica e uma perícia técnica antes de ser liberado à família.

No domingo (14), familiares, amigos e membros de grupos de praticantes de motocross da região se uniram em manifestações pela manhã e pela tarde. Os jovens fizeram um cortejo com as motocicletas e uma manifestação diante do Batalhão de Polícia Militar da cidade.

Nas redes sociais, o rapaz recebeu dezenas de mensagens de luto, de amigos e de grupos de praticantes de motocross.

Em nota, a Polícia Militar informou que a barreira foi realizada na PI-140 para tentar apreender armas, drogas ou veículos roubados que passassem pela rodovia. Segundo a PM, Agno teria tentando furar a barreira, mesmo após receber ordem para parar, e que o policial responsável pela blitz atirou "sem intenção de alvejar o motociclista".

Ainda segundo a PM, o policial que atirou se apresentou no Batalhão de forma espontânea e teve sua arma recolhida. O caso será investigado por um Inquérito Policial Militar e o policial responderá a processo na Justiça. O caso foi comunicado também à Polícia Civil.

Piloto de motocross Agno Santos, de 21 anos, foi morto a tiros por policial militar em barreira na PI-140 — Foto: Reprodução/ Redes sociais

Piloto de motocross Agno Santos, de 21 anos, foi morto a tiros por policial militar em barreira na PI-140 — Foto: Reprodução/ Redes sociais

Leia abaixo a nota completa da Polícia Militar:

Nota a imprensa

Acerca dos fatos de lesão corporal seguida de morte por intervenção policial, na Região de Floriano, a polícia militar informa:

1.Que no dia 12/03 do corrente ano, uma guarnição policial estava na PI – 140 realizando blitz, uma ação preventiva buscando encontrar armas, entorpecentes ou veículos roubados;

2.Que um motorista em uma motocicleta, recebeu a orientação, através de gestos, para que parasse e lhe foi indicado o local onde deveria estacionar;

3.Que, segundo relatos, o piloto da motocicleta, acelerou bruscamente no sentido de transpor a barreira;

4.Ainda segundo relatos, o policial responsável pela blitz efetuou um disparo de arma de fogo, sem a intenção de alvejar o motociclista;

5.Mais à frente caiu da moto, ao ser abordado, percebeu-se que o piloto havia sido atingido, sendo imediatamente prestado os primeiros socorros e conduzido para o Hospital Tibério Nunes, vindo infelizmente, a óbito;

6.Conforme legislação, o policial apresentou-se na unidade, foi lavrado o auto de apresentação espontânea, aguardando audiência de custodia. Na ocasião, foi recolhida a arma do militar, bem como foi comunicado ao Delegado de plantão e acionado a Perícia Técnica e o Medico legista de plantão.

7. Será instaurado Inquérito Policial Militar e o mesmo responderá ao processo na Justiça, sendo-lhe garantidos todos os direitos constitucionais, onde serão levantadas as circunstancias que envolveram esse fato.

Teresina, 13 de março de 2022.

Elza Rodrigues Ferreira – Cel PM

Dir de Comunicação PMPI

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp